Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Mulher é condenada por maus-tratos contra o pai em Agudos -


No comando: Clássicos Sertanejos

Das 04:00 às 06:00

No comando: Manhecer no Sertão

Das 06:00 às 09:00

No comando: Alvora 87

Das 06:00 às 09:00

No comando: Tempo de Reflexão

Das 08:30 às 09:00

No comando: Conexão Cidade

Das 09:00 às 12:00

No comando: Os Corneteiros

Das 09:00 às 13:00

No comando: Sessão da Câmara Municipal de Agudos

Das 09:00 às 13:00

No comando: Kairós

Das 10:00 às 12:00

No comando: Balanço 87

Das 12:00 às 14:00

No comando: Toca Todas

Das 13:00 às 16:00

No comando: Domingo Esportivo

Das 14:00 às 19:00

No comando: Agito 87

Das 16:00 às 19:00

No comando: Especial Sertanejo

Das 16:00 às 19:00

No comando: Santa Missa

Das 19:00 às 20:00

No comando: Flash House

Das 19:00 às 22:00

No comando: Arquivo 87

Das 20:00 às 22:00

No comando: A voz do Brasil

Das 21:00 às 22:00

No comando: Gospel 87

Das 22:00 às 00:00

No comando: Viagem Love

Das 22:00 às 00:00

No comando: Viagem 87

Das 22:00 às 00:00

No comando: Momento Gospel

Das 22:00 às 00:00

No comando: Rock 87

Das 22:00 às 00:00

Mulher é condenada por maus-tratos contra o pai em Agudos

Agudos – Uma mulher foi condenada pelo Tribunal de Justiça (TJ) a quatro anos e oito meses de reclusão, em regime inicial semiaberto, por maus-tratos cometidos contra o próprio pai. O crime ocorreu em 2009, em Agudos, e a vítima, na época com 57 anos, morreu meses depois.

De acordo com os autos, o homem, portador de Alzheimer e Parkinson, era totalmente dependente de cuidados com vestuário, alimentação e higiene e a filha assumiu a curadoria dele após a mãe adoecer e ser internada.

Diligência feita pelo Conselho Municipal do Idoso após denúncia de maus-tratos constatou que ele estava em um quarto trancado por fora, deitado em um colchão fino colocado diretamente no chão e molhado por urinar na roupa.

O relatório também indicou que o homem estaria atrofiado, aparentemente apático e desnutrido. Ouvida pela polícia, a filha alegou que não deixou de providenciar os cuidados necessários e que buscava a internação do pai.

Passados alguns meses, o homem recebeu atendimento emergencial e acabou morrendo. Em primeira instância, a ré foi absolvida, mas o Ministério Público (MP) recorreu e, no recurso de apelação, ela foi condenada pelo TJ.

O relator do recurso, desembargador Euvaldo Chaib, destacou em seu voto que a filha, “além de privar o incapaz da alimentação adequada, também o deixou em situação degradante, por vezes encharcado em sua própria urina”.

Fonte: JC NET

Deixe seu comentário: